Dia de Campo do Programa Água Doce leva os técnicos para aplicar a metodologia do PAD e conhecer na prática um sistema de dessalinização

 

DSC 0152O casal Geraldo e Carlota, moradores da zona rural de Montes Claros, durante vários anos enfrentou problemas com a qualidade da água da região. O consumo frequente da água da região teve reflexo na saúde deles, que por muito tempo enfrentaram dores nos rins. Atualmente, após a instalação de um sistema de dessalinização na comunidade, a saúde do casal melhorou e a água tratada no quintal da sua casa garante o abastecimento de mais de 100 famílias.

 

Este e outros relatos foram ouvidos pelos técnicos que passaram pela Oficina de capacitação do Programa Água Doce (PAD), encerrada nesta manhã, em Montes Claros. No último dia de atividades, os participantes do curso realizaram um Dia de Campo, na comunidade rural de Bengo, há 40km da sede da cidade.

 

Na comunidade, os técnicos puderam ver na prática como funciona um dessalinizador, praticar a mobilização social e avaliar a sustentabilidade ambiental, temas discutidos durante a oficina, e ainda provar da água salobra e da água tratada, direto da fonte. "Sou capaz de dizer que essa água é melhor do que a água mineral que temos aqui na garrafinha" Afirmou Francelino Costa, engenheiro agrônomo da prefeitura de Novo Cruzeiro que ficou impressionado com o sistema que tem a capacidade de tratar 400 litros por hora.

 

Além da qualidade e pureza da água, os benefícios sociais também merecem destaque. A água tratada no Bengo atende outras comunidades como São Pedro das Garças, Aparecida de Mundo Novo e Capitão Enéas, e, segundo seu Geraldo, o limite é o da necessidade de cada um. Toda segunda-feira, de 7 às 18hs, as torneiras do chafariz ficam abertas para as comunidades vizinhas buscarem água para seu consumo e todos contribuem com um valor mensal para a manutenção dos equipamentos. "Acho justo todo mundo contribuir pra ajudar o Geraldo, porque a água é um bem de todos que só tem feito melhorar a vida da gente" afirma o senhor João, morador do Bengo.

 

Programa Água Doce:

Durante os três dias de Oficina, os consultores do Ministério do Meio Ambiente apresentaram todo o processo daDSC 0196 execução operacional do Programa Água Doce em Minas Gerais, desde a contratação de empresa responsável pelo diagnóstico e acompanhamento da implantação das ações do Programa no Estado, até os componentes da metodologia do PAD e do processo de dessalinização.

 

Com a conclusão das capacitações, os técnicos já estão preparados para acompanhar e auxiliar nos diagnósticos que serão feitos nas localidades rurais de seus municípios. Após a triagem inicial, a equipe do diagnóstico vai realizar testes de vazão, seguidos de análise da situação fundiária dos locais onde se encontram os poços, o que vai indicar a solução ideal de abastecimento para cada localidade e apontar se ela será contemplada com a recuperação ou implantação dos sistemas dessalinizadores, ou ainda, com outro programa de acesso à água.

 

"Esses diagnósticos serão instrumentos importantes, pois vão mapear a situação de abastecimento de água na zona rural do semiárido mineiro e compor uma base de dados para a implementação da política pública de saneamento estadual, que será coordenada pela Sedru" destaca o secretário de Desenvolvimento Regional, Política Urbana e Gestão Metropolitana, Tadeu Martins Leite.

Ascom/Sedru

30/04/2015